Veículos Scania propulsados graças a resíduos domésticos

Os resíduos são um problema a nível mundial que não para de crescer. Apenas 25% dos resíduos mundiais são reciclados, submetidos a compostagem ou processados. Um terço de todos os alimentos produzidos é desperdiçado, incluindo quase metade de todas as frutas e legumes que são cultivados. Basicamente, todos os resíduos orgânicos acabam em aterros sanitários, onde se decompõem e produzem metano e CO2.

Estes gases são libertados para a atmosfera com consequências nefastas. Os aterros sanitários produzem substâncias tóxicas e químicas que contaminam os solos e as fontes de água potável. Sem qualquer motivo válido.

É possível encontrar outra forma de gerir os resíduos. Em primeiro lugar, a Scania incentiva uma utilização sustentável dos recursos e uma reciclagem adequada e está empenhada em utilizar os resíduos como uma fonte de energia sustentável, tornando possível que os seus veículos sejam movidos graças aos resíduos que deitamos fora.

Na Suécia, 99% dos resíduos domésticos são reciclados. São transformados em alimento para animais, fertilizante e energia. Os aterros sanitários praticamente deixaram de existir. Em vez de constituírem um problema, os resíduos tornaram-se um recurso.

Os restos alimentares e outros resíduos orgânicos são utilizados para produzir biogás, bioetanol e biodiesel. O combustível produzido localmente oferece melhores soluções ambientais e os autocarros e camiões são mais limpos e menos poluentes a uma escala global. Tal traduz-se não só em transportes atrativos, mas também em menos aterros sanitários, menos emissões de CO2 e menos consumo de combustíveis fósseis, melhorando dessa forma o ambiente e a saúde, criando empregos locais e reduzindo as alterações climáticas.

É por isso que a Scania confia em soluções que utilizam tecnologia comprovada e combustíveis provenientes de resíduos, ajudando a enfrentar o desafio dos resíduos, da energia e das emissões nas cidades.

A Scania produziu este vídeo para consciencializar a este respeito:

 

Camiões Autocarros Sustentabilidade Transporte