Repsol acelera na transição energética

A Repsol apresentou hoje o seu Plano Estratégico para 2021-2025, período durante o qual avançará no seu objetivo de ser uma empresa zero emissões em 2050, com um projeto que vai aprofundar a transformação, uma geração de caixa que vai permitir financiar um crescimento ambicioso e uma remuneração atrativa para os acionistas.

A empresa vai apostar na descarbonização da sua carteira de ativos e no desenvolvimento de um novo modelo operacional que vai extrair valor dos seus atuais pontos fortes, bem como juntar novos pilares nos quais a empresa se vai apoiar no futuro, como são o negócio Cliente e a Baixa Geração de Carbono. Até 2030, a Repsol será uma empresa renovada, mais sustentável e com maior foco.

A nova estratégia da Repsol terá um elevado grau de flexibilidade em função do cenário macroeconómico. É colocada em marcha num contexto de dificuldade histórica, perante o qual a Repsol respondeu com um Plano de Resiliência 2020 que permitiu obter um fluxo de caixa operacional positivo em todos os negócios nos primeiros nove meses do ano e poupanças estimadas, no fecho do exercício, de 2.400 milhões de euros.

Neste contexto complicado, de elevada incerteza, a empresa estabeleceu dois períodos no seu Plano Estratégico. Nos dois primeiros anos, estará focada em assegurar a força financeira, alargando os programas de eficiência e competitividade que colocou em marcha no passado mês de março.

O Plano Estratégico será financiado num cenário de 50 dólares/barril de Brent e 2,5 dólares/Mbtu de gás Henry Hub, preços a partir dos quais a empresa garante a manutenção de uma elevada flexibilidade financeira e de um nível de dívida em 2025 próximo ao de 2020.

Durante a primeira parte, o Plano dará prioridade a medidas de eficiência, redução de investimentos e otimização do capital, ao mesmo tempo que se desenvolvem projetos para liderar a transição energética, como os anunciados para as refinarias de Bilbao e Cartagena ou os diferentes ativos renováveis que a Repsol está a desenvolver. A partir do ano de 2022, uma vez recuperado o impacto da crise da covid-19, o Plano estará focado em acelerar o crescimento.

A nova estratégia a cinco anos contempla investimentos no valor de 18.300 milhões de euros. Os investimentos em iniciativas baixas em carbono vão ascender a 5.500 milhões de euros entre 2021 e 2025, o que representa 30% do total, e serão acompanhados de uma expansão internacional neste âmbito. Ao longo do período, a Repsol vai registar um forte crescimento do EBITDA, para superar os 8.200 milhões de euros previstos em 2025.

Num cenário sustentado de preços mais altos, a Repsol vai acelerar os projetos de crescimento em baixo carbono que já figuram na sua carteira de ativos.

Combustíveis Repsol Responsabilidade Social